Alimentação

O que é Jejum Intermitente e como é bom perder peso com ele

O que é Jejum Intermitente e como é bom perder peso com ele

Os estudos genéticos sobre o Jejum Intermitente (parar de comer por algum tempo, exemplo 10h, e voltar a comer normalmente em seguida, e repetir isso nos dias seguintes) apresentam resultados bem convincentes e fáceis de entender. A maioria dos estudos apontam para um benefício dessa prática, mas sempre com um período de tempo que varia entre 6h a 18h de jejum. Esse tipo de jejum é naturalmente praticado por muitas pessoas em seu cotidiano, que estão se beneficiando sem nem saber que em Harvard estão estudando sobre isso.

O benefício das adversidades

É simples, o nosso corpo é feito para se adaptar às condições adversas que se impõe a ele. É assim quando se usa droga por exemplo, seu corpo vai se “acostumando” com o efeito dela e gradativamente vai “pedindo” mais quantidade ou mais recorrência. Uma pessoa que nunca usou aquela droga, se usar a quantidade que uma pessoa viciada está usando, provavelmente sentirá um efeito muito mais forte, podendo até ser fatal. É assim com o organismo das pessoas que vivem em grandes altitudes, onde o ar é rarefeito, e têm seus organismos bem adaptados, podendo até praticar esportes normalmente. Atletas que vivem em regiões mais baixas, quando fazem uma visita a estas altitudes sofrem de desmaios e têm dificuldade de respirar.

Fortalece o sistema imunológico, e até emagrece como bônus

Com o jejum se segue a mesma lógica, o corpo é exposto a uma condição adversa, então, ele busca maneiras de suprir aquela condição, e esse trabalho que o corpo faz é bom para a genética, pois ele ativa os genes de combate às adversidades. Ao fazer o jejum, você está treinando os genes do seu corpo, que, se “bem treinados”, vão também combater outros males, como as doenças autoimunes, exemplo o câncer, e anormalidades cardíacas.

Então, seguindo a genética, o Jejum Intermitente deve ser feito por todas as pessoas, não somente para as que querem emagrecer. Emagrecer é uma consequência de passar esse tempo sem comer.

 

FONTE: Time restricted feeding for prevention and treatment of cardiometabolic disorders. GC Melkani, S Panda – The Journal of Physiology, 2017. Relationship between FGF21 and UCP1 levels under time-restricted feeding and high-fat diet. N Chapnik, Y Genzer, O Froy – The Journal of Nutritional Biochemistry, 2017.

 

Autor: Redação Saúde Alimentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

notícias relacionadas

mais lidas em Alimentação